Conheça mais sobre esses felinos maravilhosos.

 

 

.: Natureza Felina :.

A Natureza do GatoConsiderado um dos caçadores carnívoros mais elegantes, o gato foi cuidadosamente lapidado ao longo do tempo, até se tornar o animal que conhecemos hoje.

Bastante diferente do canino gregário, ele buscou o próprio caminho rumo à individualidade, à autoconfiança e à independência, tal como seus parentes felinos, e, por isso, não é difícil perceber em nossos gatos de estimação os mesmos instintos dos gatos selvagens das florestas escocesas ou dos tigres de Bangladesh.

Altivo e nobre, o gato se comporta como um cavaleiro errante ou um samurai, com movimentos elegantes e certeiros – um perfeito expoente das artes marciais. Se por um lado os cães se dobram diante de seus amigos humanos, o gato entrega amor e amizade cautelosamente, deixando claro que seu respeito e afeição devem ser conquistados.

Por trás do belo rosto e do olhar penetrante e intrigante, há sempre um ar de mistério que nos remete aos cultos sagrados e ao ocultismo, fazendo desse maravilhoso felino um animal verdadeiramente MÁGICO.

Dra. Amanda Zingra Rotoli
Endereço: Rua Padre Roque 2018 - Centro - Mogi Mirim - SP - (19) 3804-1579

“Um ser único; auto-suficiente, independente e voluntarioso, no fundo ele sabe que não pertence a ninguém. Apenas se hospeda entre amigos”. (David Taylor)

 

Sobe

 

.: Visão Felina :.

 

O olho do gato é estruturalmente semelhante ao do ser humano, mas existem certas modificações que permitem ao animal realizar coisas que nós não conseguimos.

Em geral, acredita-se que os gatos podem ver no escuro. Nem Tanto. Em um quarto completamente escuro, um gato não enxerga melhor que eu ou você. O que ele faz é captar o menor vestígio ou fragmento de luz à sua volta.

Os felinos possuem um sistema de visão engenhoso. Atrás da retina sensível a luz, há uma espécie de “espelho”, composto de 15 camadas de células brilhantes, denominado tapetum lucidum. Quando feixes de luz atravessam os olhos e estimulam as células receptoras de luz da retina (bastonetes e cones), os raios então, passam adiante, são refletidos pelo espelho e entram em contato pela segunda vez com as células retinianas. Essa “dose dupla” multiplica o efeito da luz e aumenta bastante a visão noturna felina.

O reflexo brilhante do espelho é o que produz as características douradas ou o brilho esverdeado do olho do gato no escuro (comum de notarmos esse “espelho”, ao nos depararmos com felinos que atravessam na frente dos faróis de carros, ou ao emitirmos luzes com lanternas sob seus olhos à noite). Os olhos humanos não brilham no escuro; o brilho avermelhado de nossas pupilas que ocasionalmente aparece nas fotografias como efeito dos flashes é produzido por vasos sanguíneos situados atrás da retina humana.

Os gatos vêem cores? Possuem visão colorida? A resposta é que eles realmente possuem cones de pelo menos dois tipos (estrutura que nos seres humanos, por exemplo, representam um papel primordial na visão colorida).

Estudiosos acreditam que, embora os gatos possam ver em cores, essa condição não significa nada para eles. Os olhos distinguem as cores, mas o cérebro não consegue interpretá-las, a menos que o animal seja treinado para desenvolver tal percepção. Em geral eles não usam a percepção da cor por não representar vantagem na caça a um camundongo ou na aprovação de uma vasilha com seu alimento predileto.

Sobe

 

.: Toxoplasmose :.

O que os amantes e proprietários de felinos devem saber....

A medicina Felina é uma das subespecialidades na medicina veterinária que mais/ rapidamente se desenvolve e em nenhuma área isso é mais verdadeiro do que no campo das doenças infecciosas.

O médico veterinário de hoje, deve ter plena consciência de seu papel na proteção da saúde humana. Eles devem informar seus clientes e os médicos de seus clientes a respeito das zoonoses, uma vez que os médicos não possuem a mesma formação acerca de zoonoses que os veterinários possuem.

Os médicos veterinários são frequentemente questionados e solicitados a darem orientações a proprietários de animais de estimação a respeito da toxoplasmose.

Considerando que boa parte dos profissionais da área da saúde ainda possuem muitas duvidas a respeito das modalidades de infecção humana, do perigo potencial desse parasita e do verdadeiro papel do gato doméstico na transmissão da doença, não é de surpreender que a população de maneira geral esteja mal-informada  a respeito do problema.

Muitos médicos e também médicos veterinários ainda fazem recomendações, quanto aos animais de estimação, baseadas, muitas vezes, em preconceito e desinformação.
Por definição, doenças zoonóticas são aquelas doenças que são comuns, ou naturalmente transmitidas (direta ou indiretamente) entre seres humanos e animais. 

A Toxoplasmose ocorre numa grande variedade de animais de produção e de estimação, incluindo aves, bovinos, ovinos, suínos, caprinos, gatos, cães, animais silvestres e na maioria dos vertebrados terrestres.

Em animais de produção, o aborto, a mortalidade neonatal e os defeitos congênitos, devido à infecção pelo Toxoplasma gondii, levam a perdas econômicas para os produtores. Em mulheres gestantes, a toxoplasmose pode se manifestar por abortos espontâneos, natimortos ou defeitos congênitos. Mais recentemente tornou-se evidente que o Toxoplasma gonndii é uma importante causa de doença e morte em pacientes com câncer e com AIDS.

O Toxoplasma gondii é um protozoário coccídio parasita intracelular obrigatório que infecta animas de sangue quente, inclusive o homem. Os membros da família Felidae  (felinos domésticos e selvagens) são hospedeiros definitivos do toxoplasma, e os demais vertebrados servem como hospedeiros intermediários.

A transmissão se dá de três principais maneiras: infecção placentária, ingestão de alimentos ou água contaminados com oocistos esporulados de fezes de gatos e ingestão de carne crua ou mal cozida contendo cistos teciduais.
O papel do gato, nessa zoonose, esta primeiramente relacionado com a produção de oocistos e a perpetuação da doença no meio ambiente e na cadeia alimentar.

Os felinos com a toxoplasmose no seu estagio ativo, eliminam oocistos em suas fezes. Esses oocistos eliminados nas fezes só se tornam infectantes quando são esporulados, ou seja  se ficam a exposição ao ar  e em condições ambientas favoráveis (temperatura e umidade), e em média isso se dá três dias após excreção do animal.

È muito importante salientar que felinos adquirem imunidade contra a toxoplasmose, e a grande maioria deles eliminam oocistos apenas um curto período na vida e depois não mais; a não ser que por alguma razão ou doença sua imunidade fique extremamente debilitada. Provavelmente, menos de 1% da população felina, num determinado momento, deve estar excretando o oocistos.

Infecção humana por contato direto com gatos excretando oocistos é extremamente improvável e, como os oocistos devem esporular para ser infectantes, o contato com fezes frescas não é capaz de causar infecção. Por causa de seus cuidadosos hábitos de limpeza, matéria fecal não é encontrada na pelagem de gatos clinicamente normais.

Portanto, a possibilidade de transmissão para seres humanos pelo ato de tocar ou acariciar um gato é mínima ou inexistente. O contato humano com os oocistos esporulados é provável que ocorra mais frequentemente pelo geofagia, quando há contato direto com a terra, ou bebendo água contaminada.

Vários estudos tem demonstrado que a fonte de infecção da toxoplasmose mais comum nos paises industrializados parece ser o contato e o consumo  de carnes cruas ou mal cozidas contendo cistos de Toxoplasma.

Com freqüência, pede-se aos médicos veterinários que façam recomendações a respeito do convívio de gatos com mulheres grávidas. As vezes, eles devem até mesmo confirmar conselhos dados por médicos. Infelizmente, alguns médicos estão desinformados ou agem de maneira preconceituosa sobre o fato de se possuir um gato, e a alguns clientes, são feitas recomendações  que não podem ser  consideradas razoáveis e nem válidas.

Vários fatores devem ser considerados quando se  orienta uma gestante quanto ao que se deve fazer com o gato durante a gestação. Não é deixando de ter contado com seus gatos ou dando “um sumiço” com o bichinho de casa, que se evitará o problema da doença.  Abaixo são citadas medidas profiláticas.

Medidas de prevenção para mulheres gestante e indivíduos com imunodeficiência

  • Não ingerir carne crua ou parcialmente cozida
  • Lavar bem as mãos e os utensílios de cozinha, com água morna, após a manipulação de carne crua
  • Evitar atividades de jardinagem com contato direto com terra, ou usar luvas durante essas atividades, e lavar as mãos logo após
  • Lavar cuidadosamente frutas e verduras, antes de ingeridas.
  • Trocar as caixas de areia dos gatos diariamente (antes que os oocistos esporulem) ou pedir que outra pessoa o faça
  • Evitar caixas de areia de praças publicas
  • Não alimentar seus gatos com carne crua ou parcialmente cozida
  • Manter os gatos dentro de casa para que evitem o habito de caça
  • Combater os vetores mecânicos (baratas e outros insetos)      

REFERÊNCIA BIBIOGRAFICA

Medicina e Cirurgia Felina -  Heloisa Justen M. de Souza

Sobe